Arquivo de Agosto, 2009

Ghostbusters: The VideoGame

By: Victor

ghostbusters_1

Depois de terminar definitivamente o game, fiquei um bom tempo pensando sobre o que falar dele e qual nota seria a mais adequada para representar o excelente game “Ghostbusters: The Videogame”. Às oito da manhã realmente eu não tenha nada muito interessante para fazer além de escrever a análise do mais novo game de aventura baseado nos clássicos filmes dos caçadores de fantasmas.

O game na verdade apresenta uma história diferente dos filmes, então não tem nada a meu ver chegar falando que “geralmente os jogos baseados em filmes…”, pois isso todo mundo já sacou. Por isso mesmo não é uma surpresa que o game não seja ruim, pelo contrário é muito bom, devido à sua história bem construída e a apresentação de personagens clássicos como Stay Puft (o gigante de marshmallow) e Geleia.

ghostbusters_game_1

Confesso que não assisti ao filmes dos caçadores de fantasmas, mas o jogo possui diálogos tão bem construídos (e engraçados), história muita bem detalhada e as vozes originais por assim dizer de cada caçador de fantasma que não tem como não gostar do game e especular cada segredo durante a jogatina e pensar no quão bom que os filmes deveriam ser, me “obrigando” a sair direto para uma locadora para pegar os filmes.

Todos os protagonistas estão presentes no game, Ray Stantz (Dan Aykroyd), Egon Spengler (Harold Ramis), Peter Venkman (Bill Murray) e Winston Zeddemore (Ernie Hudson), assim como clássica trilha sonora do filmes que mesmo não tendo assistido-os, o game já mostra a tamanha importância da música e junto com a inconfundível sirene do Ecto-1 e devido os detalhes do game e qualidade da obra tudo funciona muito bem, agradando tanto a fãs como os novatos na área.

O personagem que você controla, infelizmente é um estagiário sacaneado pela “turma”, sem falas e sem importância, acrescentando simplesmente nada a mais no game. Nada que estrague a obra, mas também nenhuma surpresa ou orgulho do novato.

 Agora o mais importante mesmo, que é caçar fantasmas, isso sim é prazeroso, mas não é fácil. Junto dos seus quatro amigos equipados com aquelas enormes mochilas que oferecem um não muito vasto arsenal, você deve atirar raios de prótons nos inimigos na maioria das vezes pára capturá-los, ou de vez em quando matá-los. Mas há uma enorme variedade de inimigos e cada um tem uma fraqueza que pode ser detectada com o seu Rastreador PKE (também utilizado para achar inimigos escondidos e artefatos extras) e com o tempo que os inimigos vão aparecendo e novas armas são habilitadas, mas não precisam ser compradas e certamente sem elas os caça fantasmas estariam perdidos.

Tudo no jogo é bem manual mesmo, quando você tem que capturar um fantasma basta enfraquecê-los com uma arma específica e depois com os raios de prótons usar uma função muito básica pressionando RT para atirar e RB quando o fantasma estiver tonto se não me engano, assim ele fica preso aos seus raios e basta pressionar X para jogar uma armadilha e logo capturá-lo jogando o fantasma dentro da armadilha. Apesar de parecer complicado tudo é muito simples e logo você pega a manha.

ghostbusters-video-game-screenshot-big
As armas não são muitas e isso não atrapalha a jogatina, mas o bom é que cada uma é bem diferente das outras e têm dois modos de disparo, desde raios a imitações de shotguns apartir dos conteúdos específicos que também variam de cor, o raio de prótons, por exemplo, é vermelho e o raio de gosma que é verde.

Felizmente caso qualquer parceiro seu presente na missão “morra” (entre aspas porque eles não morrem e sim a mochila fica danificada e eles caem), você pode revivê-los assim como eles também podem te dar uma ajuda, mas o problema é que os seus amigos morrem muito fácil e diversas vezes, portanto não se surpreenda se em missões com muitos fantasmas eles fiquem caindo toda hora e você morra por não ter ninguém para te ajudar e aparecer um belo game over na tela, gerando alguns momentos bem frustrantes.

A jogabilidade funciona muito bem no game, porém a locomoção do personagem às vezes não é precisa assim como correr e pular com ele pode ser um pesadelo, mas nem por isso o jogo deixa de ser bom, graças à diversão e risadas que surgem quase todo o momento, devido aos diálogos hilários e muito bem trabalhado e as diversas fases e acontecimentos, pois uma hora você está pendurado no prédio lutando contra o Marshmallow que quer destruir Nova York, outra hora você já está numa biblioteca perseguindo um fantasma invisível que joga estantes de livro em você. Ou seja, o game está repleto de variação nas missões e cheio de elementos surpresas, que agrada qualquer fã de jogos de aventura.

Os gráficos também são belíssimos, com cenários lotados de elementos destrutíveis e personagens muito bem construídos e caracterizados, sem contar o abrigo dos caça fantasmas, que apresenta muitos detalhes e interação com algum deles, afinal qual seria a graça se não fosse possível descer no poste vermelho que da acesso imediato ao primeiro andar? Os artefatos que você coleta além de oferecer pontos para fazer upgrades nas armas e outras engenhocas também aparecem no seu abrigo em Nova York, assim como o Ecto-1 que também está lá. Detalhe achei uma bola de pelos fantasmagóricos não sei do que e ela estava lá no banheiro do apartamento flutuando, o que para mim foi muito cômico.

Gráficos: 9,5

Diversão: 9.5

Jogabilidade: 8.5

Som: 9

História: 10

Nota Geral: 9

Ghostbusters The Videogame com certeza é um jogão, cheio de segredos, momentos cômicos, personagens clássico e ótima história, deixando somente a desejar um pouco no carisma do personagem controlável e momentos frustrantes em que os amigos sempre morrem e alguns cenários um tanto lineares. A nova aventura dos caça fantasmas é RECOMENDADO a todos os fãs dos filmes e aqueles que buscam uma aventura fantasmagórica cômica e ao mesmo tempo com suspense.
ghostbusters_3a

Shadow Complex

By: Victor

Gameplay do jogo de ação da Live que sairá em Agosto, dos mesmos produtores de Gears Of War 2 e exclusivo Xbox 360, o jogo eé em 2D, mas o cenário em 3D e cutscenes de ótima qualidade, já vai guardando um 1 GB ou mais no HDD do seu Xbox 360.

Gran Turismo 5 vai ser lançado em 2009 (?!)

BY: D!

O Gran Turismo 5 pode mesmo sair este ano. Primeiro, a Amazon indica como data de lançamento dia 29 de Dezembro, agora no site GTPlanet indicam que o jogo vai sair ANTES do dia 29 de Dezembro. Ainda não avançaram com a data porque ainda a podem mudar. Isto foi avançado por uma fonte não-oficial, mas credível, e é provável que na GamesCom Cologne venhamos a saber mais.

Dou-vos aqui o link para visitarem:

http://www.gtplanet.net/


Cumps ;)

Análise Mirror’s Edge PS3

By: D!

Editora:

Produtora:

Dos estúdios da sueca Digital Illusions (mais conhecida por DICE), autora do aclamado Batllefield: Bad Company, chega-nos um jogo original, reconhecido pela produtora como uma experiência de acção e aventura na primeira pessoa.

O seu título é Mirror’s Edge e conta-nos a história de Faith, uma runner numa cidade onde tudo é controlado e monitorizado ao pormenor,  e onde apenas um pequeno grupo, os runners, se mantêm à  margem da lei, entregando cartas não observadas pelo governo.

A jogabilidade é inovadora, onde nos sentimos na pele de Faith, enquanto ela executa os seus movimentos. É uma especialista do parkour, andando a saltar entre os arranha-céus da cidade.  Uma maneira interessante de ajuda do jogo em encontrarmos o caminho é o facto de o caminho ser mostrado a vermelho. Isto chama-se Runner’s Vision e funcioa muito bem. O combate é bastante simples, apresentando algumas combos de desarme de armas e de combate em si, e até há algumas partes em que se pode confundir com um FPS, visto que podemos disparar ao velho estilo que todos já experimentámos.  Uma característica interessante é o facto de podermos passar o jogo sem disparar ou matar alguém, embora seja muito difícil passar algumas partes sem recorrer à violência. A movimentação da personagem é também bastante fluida, com um sistema de escalada muito bem executado. No jogo, o combate e a movimentação da personagem é uma questão de timing.

Os gráficos são apelativos à vista. Existe melhor nesta geração, mas Mirror’s Edge cumpre. No entanto a cidade é quase toda igual, com os edifícios, ruas e até veículos a branco. As personagens estão mais ou menos detalhados, cumprindo os requisitos.

O modo história é muito curto, podendo ser passado em 5 ou 6 horas. A irmã da protagonista é apanhada no meio de um homicídio e é culpada pelo que aconteceu. Faith vai andar atrás do responsável, acabando por descobrir uma trama muito maior do que pensava encontrar. Para além deste modo também há o Time Trial, onde temos de acabar uma pista antes do tempo limite, tentando bater o recorde offline ou online. E também há o Speed Run, uma espécie de passagem do modo História em contra-relógio.

O online não é apelativo, resumindo-se a comparar os tempos obtidos em Time Trial entre jogadores.

Tal como nos outros jogos da EA, Mirror’s Edge prima por uma boa banda sonora, que enciaxa bem no jogo. O destaque vai para a música criada pela sueca Lisa Miskovsky, de propósito para a banda sonora do jogo. As vozes das personagens cumprem com os requisitos.

Mirror’s Edge prima pela sua originalidade. É um jogo com grandes ideias e grande potencial, que se a DICE aproveitar bem poderá criar aqui um jogo de culto. Esperemos que a sequela (?!) tenha um melhor aproveitamento destas ideias. Este jogo pode ser repetitivo para alguns, mas é algo que não quererão perder, nem que seja só pelo experimentar.

Gráficos – 80

Jogabilidade – 70

Som – 90

Valor – 70

Pormenores – 60

Nota final – 74/100


Agosto 2009
S T Q Q S S D
« Jul   Set »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Os Hunters

Visitas

  • 139,693 Visitas

Twitter

Erro: Twitter não está a responder. Por favor espere alguns minutos e recarregue esta página.